2019/09/09

Trinità e Sartana figli di... (1972 / Realizador: Mario Siciliano)

Quando este filme estreou, em 1972, os westerns-spaghetti cómicos nasciam como cogumelos e o público-alvo era as crianças, os jovens e o pessoal que já estava farto de ver cadáveres em catadupa. O realizador Mario Siciliano escolheu o jovem Alberto Dell’Acqua, acrobata, duplo e ator secundário em muitos westerns, para o papel de Sartana. A maior novidade foi Harry Baird, ator negro de nacionalidade britânica, para encarnar Trinitá. Sartana, um rapaz loiro cheio de genica, alia-se a Trinitá, um negro que veste uma camisola de marinheiro às riscas vermelhas e brancas. Diz chamar-se Trinitá porque é nativo da ilha de Trinidad (atual Trinidad e Tobago).

Este Trinitá mais parece um marinheiro de água doce!

A dupla Sartana e Trinitá anda com um olho no burro e outro no cigano porque sabem que um carregamento de dinheiro chegou fresquinho ao banco. Ambos roubam a massa e pisgam-se. Trinitá apaixona-se por Martha (Daniela Giordano), uma jovem que vive com um grupo de agricultores pobres. Trinitá almoçou com eles, encheu os cornos de vinho e, perdido de bêbado, deu o dinheiro roubado aos agricultores. Quando Sartana chegou e viu o que o seu sócio fez, passou-se da marmita!

Ambos os protagonistas empunham as suas armas!

Enquanto isso, Burton e o mexicano El Tigre andam armados em parvos à cata de ouro que os Rangers transportam. Sartana e Trinitá também vão meter o focinho no assunto. O resto do filme não é mais do que muitas chapadas, pontapés no cu, frigideiras nas ventas, cabeças partidas, narizes amassados e algum tiroteio. Na cena final surge uma metralhadora, há muita confusão, muito cagaçal, muito banzé mas… zero mortos!

Sartana disfarçado de mexicano.

O veredito: não tem o impacto dos dois primeiros “Trinitá” com Terence Hill e Bud Spencer mas, verdade seja dita, também não é a estupidez à “Tresette” ou à “Carambola”. Quem quiser arriscar… fora, figo! Quem não quiser… não vem mal ao mundo.

4 comentários:

  1. A partir de 1970 surgiu a mania de juntar dois personagens famosos dos westerns-spaghetti no mesmo filme. Começou com "Django e Trinitá" e, a partir daí, tivemos "Trinitá e Sartana", "Aleluia e Sartana", entre outros.
    Curiosamente, já no ano tardio de 1995, Enzo Barboni ainda fez um "Trinitá & Bambino... e adesso tocca a noi!".

    ResponderEliminar
  2. No mesmo ano em que saiu este filme (1972), também do mesmo realizador, estreou "Alleluja e Sartana, figli di... Dio".
    As palhaçadas são praticamente as mesmas e o vilão chama-se "Lupo" (Lobo).
    Aqui, o bandido chama-se "Tigre" (não é muito diferente).

    ResponderEliminar
  3. Título deste filme em Portugal: TRINITÁ E SARTANA CONTRA TODOS!

    ResponderEliminar
  4. Este realizador tem um filme muito acima da média, I vigliacchi non pregano, mas o resto que lhe conheço é de qualidade duvidável. Desses maus lembro-me sobretudo do "Rolf, o Mercenário", um daqueles filmes de guerra ás 3 pancadas que é impossível esquecer por ser tão ruim.

    ResponderEliminar

Related Posts with Thumbnails