2012/01/16

Quella sporca storia nel west (1968 / Realizador: Enzo G. Castellari)

Quem diz que os westerns-spaghetti são produções sem sentido levadas a cabo por gente inculta não tem consciência das baboseiras que está a dizer! Tanto pior quando isso é dito por palhaços que deliram com os filmes de meninas que passam a vida no centro comercial e no cabeleireiro! Mas atenção: Eu também dou a mão à palmatória e já vi westerns-spaghetti tão maus que até metem ranço! Mas neste caso isso não se aplica. Quem diria que o dramaturgo William Shakespeare, vários séculos após a sua vida e obra, ia ser o principal responsável por um western? Para algumas cabeças de burro pode custar a acreditar mas é verdade. A tragédia “Hamlet” transformou-se num western de qualidade!

Senão vejamos: O veterano de guerra Johnny acorda numa praia acompanhado por um grupo de saltimbancos / atores que ensaiam uma peça de Shakespeare. Enquanto dormia teve um sonho macabro em que o seu pai era agora um fantasma porque terá sido cobardemente assassinado. Ao chegar a casa o choque é total: o seu pai morreu e está sepultado num cemitério lúgubre dentro de uma gruta, a sua mãe casou com o seu tio e ambos vivem à grande e à francesa, a sua namorada perdeu o fulgor da paixão e o único que se mantém fiel é o seu velho amigo Horácio. Perante tal confusão, Johnny tem agora como principal objetivo descobrir o assassino do seu pai e, consequentemente, “acabar-lhe com as tosses”.


Os personagens mais importantes estão bem presentes: o tio Cláudio, a mãe Gertrudes, o amigo Horácio, a namorada Ofélia e, claro está, o protagonista Johnny (Hamlet). A ideia para este filme partiu de Sergio Corbucci mas inexplicavelmente decidiu abandonar o projeto e cedeu o seu lugar. Os produtores entraram em contacto com outros realizadores e a escolha caiu sobre o jovem Enzo G. Castellari.

Destaco o ótimo trabalho musical de Francesco de Masi, que abre com uma bonita canção interpretada por Maurizio Graf, e em alguns momentos a música acentua ainda mais o elemento fantasmagórico alusivo ao espetro do pai de Hamlet. Descobri este filme há relativamente pouco tempo e após várias visualizações fiquei rendido. Apenas aponto um defeito que faz toda a diferença: o termo “tragédia” implica sempre a morte do protagonista no final mas esta versão de “Hamlet” tem um final diferente. Acho que foi um erro mas consigo perceber o porquê dessa decisão. Naquela época não era habitual haver filmes com um “final triste”. Os poucos que tentaram isso estavam quase sempre condenados a críticas severas e à mercê da tesoura da censura e dos cortes dos grandes estúdios, que exigiam finais alternativos.


É realmente uma pena haver tão poucas edições DVD. É urgente que as editoras europeias acordem e coloquem à disposição do público novas e melhores versões. Se William Shakespeare ainda fosse vivo teria tudo para ser um ávido fã de westerns-spaghetti. Mas como ele já não está entre nós há alguns séculos acredito que o seu espetro deve estar orgulhoso deste trabalho de Enzo G. Castellari.


Mais alguns lobbys alemães:



Trailer:


14 comentários:

  1. um western spaghetti 5 estrelas e excelente artigo,amigo Emanuel, percebo a tua opinião sobre o final, mas compreendo-a, o mesmo acontece no "Romeu e Julieta", o também excelente "a fúria de Johnny Kidd", não era fácil "matar" os protagonistas. Quanto a edições DVD, pode haver poucas deste filme, mas o DVD da Koch Media é exccelente, muito difícil de ser igualado.

    ResponderEliminar
  2. Parabéns Emanuel Neto pelo grande artigo.Realmente sempre nos deparamos com gente que diz que o western spaghetti não tem conteúdo, só tem violência, etc. etc. São cegos, mudos, surdos e com sérios aleijões no intelecto. Já me bati com entendedores de cinema, que só entendem o cinema se for americano, feito em holywood. Acham que os diretores do spaghetti eram pessoas incultas,de países pobres material e culturalmente. Ledo engano,tamanha ignorância desses pobres coitados.Esse gênero foi inventado por pessoas de um continente que foi berço do maior movimento artístico e cultural que o mundo já teve: o Renascimento. Eu pergunto: por que tantos diretores tentam imitar o spaghetti?Porque tantos atores foram para a Europa e até mesmo diretores? A grande verdade é que o mundo ficou perplexo, boquiaberto com tamanha criatividade.O que tem muito por trás dessas pretensas opiniões de "entendidos" é dor de cotovelo.

    ResponderEliminar
  3. Os ignorantes que defendem que só Hollywood sabe fazer cinema nem sonham que muitos realizadores americanos aprenderam na escola as técnicas usadas por Leone, Corbucci, Tessari, Margheriti ou Castellari.
    Mas como é óbvio, esse pessoal que adora ver e comentar os vestidos das atrizes nas passadeiras vermelhas de Hollywood nem sequer sabem o que foi o Renascimento!

    ResponderEliminar
  4. Un excepcional spaghetti, de lo mejorcito rodado por Castellari. Técnicamente impecable (las escenas en la cueva son magistrales) y con una mayor profundidad que la mayoría de los westerns hechos en Europa. Estoy de acuerdo contigo en que es urgente una edición acorde con la calidad de la película.

    ResponderEliminar
  5. Realmente é um filme de topo. Mais um que deixa o meu sócio Emanuel profundamente indignado!

    A questão da falta de edições do filme também me choca. O DVD italiano parece não ser nada de especial e o alemão da Koch Media que o António Rosa refere não está a ser vendido a preço de amigo para os dias de austeridade que vamos vivendo.

    Era bom que saísse uma nova fornada dessa edição, com certeza o preço baixaria.

    --
    Pedro Pereira

    http://por-um-punhado-de-euros.blogspot.com
    http://auto-cadaver.posterous.com

    ResponderEliminar
  6. @ Pedro, na época, quando foi lançado, comprei o DVD da Koch a um preço muito razoável, agora, pelo que vejo, rareia e está muito caro, todavia, garanto-te que é uma das melhores edições de um western spaghetti em DVD.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  7. O DVD italiano não apresenta o filme no seu formato correto (que é em 2.35:1). A editora Koch, nos últimos meses, parece que anda a perder algum gás nas edições westerns-spaghetti.
    Será que o amigo António Rosa sabe o título deste filme em Portugal?

    ResponderEliminar
  8. É pena que eles estejam a reduzir na dose. A série "arco-íris" parece que foi barrada e das edições avulsas vai-se vendo pouco. Seja como for ainda me faltam alguns títulos da dita série colorida por isso vou continuar a investir neles.

    --
    Pedro Pereira

    http://por-um-punhado-de-euros.blogspot.com
    http://auto-cadaver.posterous.com

    ResponderEliminar
  9. @ Emanuel, o título português é JOHNNY HAMLET e sim, a edição da Koch apresenta o filme no seu formato original, 2.35.1;

    ResponderEliminar
  10. Boa noite pessoal da troika

    Ainda não vi este Django, mas reconheço que o Lobby alemão é forte.

    Fora de brincadeiras, mais um na minha lista de espera, tudo porque não sou grande fã do Shakespeare, sou mais Cervantes mesmo.

    Abraço

    Vitor Louçã

    ResponderEliminar
  11. :)

    Valha-nos o humor em tempo de crise e concertações "sociais".

    --
    Pedro Pereira

    http://por-um-punhado-de-euros.blogspot.com
    http://auto-cadaver.posterous.com

    ResponderEliminar
  12. Já que se fala de Shakespeare, Cervantes ou Homero, qualquer dia aparece alguém suficientemente passado para transformar OS LUSÍADAS num western!!

    ResponderEliminar
  13. Os grandes realizadores John Ford e Raoul Walsh já morreram, só eles o poderiam fazer, ambos usavam pala no olho como Camões...

    ResponderEliminar
  14. Não sei se dava para fazer dos Lusíadas um spaghetti, mas certamente daria um filme de aventuras e pirataria de respeito!

    --
    Pedro Pereira

    http://por-um-punhado-de-euros.blogspot.com
    http://auto-cadaver.posterous.com

    ResponderEliminar

Related Posts with Thumbnails