2011/11/01

Sella D'Argento (1978 / Realizador: Lucio Fulci)

Se nos anos 60 o western-spaghetti era um monstro grande, gordo e forte, capaz de inferiorizar os outros géneros cinematográficos, esse mesmo monstro começou a ter uma dieta forçada a partir dos anos 70. Em 1978, o monstro já não metia medo a ninguém e apresentava um aspeto cadavérico cujo destino só podia ser um: a morte!

Giuliano Gemma
, um dos reis do subgénero, aceitou protagonizar este filme sob o comando do realizador Lucio Fulci, que juntamente com Dario Argento ou Antonio Margheriti, dava cartas nos “giallos”. “Sela de Prata” é um filme que não traz grandes surpresas mas, apesar de ser uma das últimas produções western na Itália, é um filme decente, com alguns nomes consagrados (Giuliano Gemma, Ettore Manni, Geoffrey Lewis, Aldo Sambrell) e com boas doses de ação e entretenimento.

Roy Blood é um menino de 10 anos que vive com o pai, um pobre agricultor que foi enganado num negócio que fez com a família Barrett. Desesperado, o homem tenta recuperar o dinheiro perdido mas é assassinado pelo pistoleiro Luke. Roy assiste a tudo e num momento de raiva pega na espingarda do seu pai e mata Luke, roubando-lhe o cavalo e a sua preciosa sela de prata. Os anos passam e Roy tornou-se num pistoleiro de primeira linha. Ao longo do seu percurso depara-se várias vezes com um tipo chamado Serpente, que ganha a vida a roubar objetos de valor aos cadáveres que encontra.


O destino dita que Roy e a família Barrett voltam a encontrar-se, mas desta vez o ódio é substituído por um sentimento mais nobre: a amizade entre Roy e o jovem Thomas Barrett Jr. É curioso ver um cineasta como Lucio Fulci fazer um western numa época em que já ninguém apostava nesse tipo de filmes. Ainda por cima Fulci esteve sempre mais ligado a outras vertentes do cinema italiano. Seja como for, estamos perante um filme sólido, sóbrio, bem construído (embora longe da magia de outrora) e que se apoia essencialmente no carisma do protagonista. Mas qual é o realizador que não o faria, se tivesse Giuliano Gemma às suas ordens?


Este foi um dos muitos westerns que descobri no início dos anos 90 em formato VHS. Mas hoje em dia o DVD é que manda e “Sela de Prata” está editado em vários países. Posso garantir a todos aqueles que queiram comprar um DVD que a editora alemã Koch tem disponível um exemplar de qualidade, com excelente imagem (2.35:1) e várias opções áudio. Esta seria a penúltima aventura de Giuliano Gemma enquanto pistoleiro. A última ficou guardada para meados nos anos 80, onde Gemma reencontrou o homem que o transformou numa vedeta: Duccio Tessari.



Mais algumas imagens usadas na promoção do filme:


Trailer:

15 comentários:

  1. Também vi este nos tempos do VHS, nos inícios de 90 se não me engano. E depois disso nunca mais o tinha visto. Revi-o recentemente via DVD da Koch que tem uma qualidade de imagem excelente, para além de vários extras e opções linguísticas.

    Sobre o filme em si, embora não me pareça um marco fundamentar no género é bastante bom. Um argumento bastante complexo que tem a sorte de contar com um elenco de se lhe tirar o chapéu. Nesse campo uma grande vénia para o americano Geoffrey Lewis, que está simplesmente fabuloso enquanto Serpente.

    Uma curiosidade, na cena que Roy se encontra pela primeira vez com Serpente, Roy desfere um tiro num dólar que o segundo segura, fazendo-lhe um buraco no centro. Uma cena que nos remete imediatamente para as memórias de "Un dollaro bucato" (1965). Belo efeito!


    --
    Pedro Pereira

    http://por-um-punhado-de-euros.blogspot.com
    http://auto-cadaver.posterous.com

    ResponderEliminar
  2. Talvez esse momento do filme tenha sido uma homenagem consciente aos primeiros westerns de Giuliano Gemma. Ou então não...

    ResponderEliminar
  3. Hum. Não há coincidências, a mim parece-me mesmo uma singela homenagem aos sucessos passados de Giuliano Gemma.

    Mas até há mais cenas que parecem remeter para filmes dos primeiros anos do western-spaghetti. Por exemplo a cena de Sambrell a chicotear o puto, parece sacada de "Tempo di massacro", o primeiro western de Fulci.

    --
    Pedro Pereira

    http://por-um-punhado-de-euros.blogspot.com
    http://auto-cadaver.posterous.com

    ResponderEliminar
  4. Sou fã de carteirinha do Fulci e, apesar de ele ter se dastacado mais com o gênero terror, aprecio muito o seu lado com o western spaguetti. Tempo di massacro é, ao meu ver (e até agora), o melhor western que ele já dirigiu, e é um dos meus preferidos também... a parceria entre Nero e Hilton é impagável! Excelente.

    Mas infelizmente ainda não vi esse com o Gemma. Quero muito ver!

    ResponderEliminar
  5. Bom filme e bom Sw, vi o mesmo na TV quando ainda era um jovem, an altura pensei que era um Western americano, pois não conhecia o Gemma e não ahvia "Interneti".
    Grande performance do Geoffrey Lewis.

    Un saludo

    VIor Louçã

    ResponderEliminar
  6. Também gostei muito desse filme, mas a edição, de VHS, que tenho é ruim demais, praticamente destrói o filme. Estou ainda na busca de uma cópia de qualidade.
    Abraço!
    LeMarc

    ResponderEliminar
  7. Então o caminho é a compra online. O DVD da Koch - "Silbersattel" - é o que recomendamos. Não tem opções audio/legendas em Português, mas a qualidade de imagem e extras convencem.

    --
    Pedro Pereira

    http://por-um-punhado-de-euros.blogspot.com
    http://auto-cadaver.posterous.com

    ResponderEliminar
  8. Por supuesto, es un homenaje a sus anteriores films. Giuliano conserva la sella d'argento en su casa romana.
    Gracias por las fotos.

    ResponderEliminar
  9. Por supuesto, es un homenaje a las anteriores películas de Giuliano. Aún conserva la "sella d'argento" en su casa romana.
    Gracias por las fotos.

    ResponderEliminar
  10. Una preciosidad! Algunos aficionados pagaría mucho dinero para tenerla en su posesión.

    --
    Pedro Pereira

    http://por-um-punhado-de-euros.blogspot.com
    http://auto-cadaver.posterous.com

    ResponderEliminar
  11. Me pareció una película bien rodada, sobre todo las escenas de acción, pero bastante fría. En todo caso, para el momento que se rodó es bastante digna y superior a al gran número de spaghetis cómicos que proliferaron durante la década de los setenta.

    ResponderEliminar
  12. Sí, Jesús. Digamos que fue o parece un intento de volver a reconducir el género, que estaba ya moribundo.

    ResponderEliminar
  13. Entre os 3 westerns de Fulci, é aquele de que gosto (um pouco) menos. Tecnicamente, achei bem feito, com bons atores, a (belíssima) Cinzia Monreale trabalhou pela 1ª vez com Fulci. Falta-lhe, talvez, alguma exuberância, aquele cinismo hilariante que tem o primeiro "Sabata", por exemplo. É como diz o Jesús, alguma frieza na realização, mas realizado com competência.

    Fulci trabalhava rápido, não só devido aos orçamentos baixos, mas também devido ao seu tecnicismo. Espantava os cameramen, pois dizia qual a lente necessária para este ou aquele enquadramento, calculando a distância e o ângulo. Por esta altura, Fulci já tinha anos e anos de experiência.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E ao que parece Fulci não gostou por aí além do filme. Considerava ainda assim Gemma um bom actor e amigo.

      --
      Pedro Pereira

      http://por-um-punhado-de-euros.blogspot.com
      http://auto-cadaver.posterous.com

      Eliminar
  14. Excelente filme. Daqueles que a gente parava a mão no ar com um punhado de pipoca para por na boca quando a coisa pegava fogo.

    ResponderEliminar

Related Posts with Thumbnails