2011/12/06

Requiescant (1967 / Realizador: Carlo Lizzani)

Uma criança é o único sobrevivente de um traiçoeiro massacre da população mexicana. O ataque é executado pelos homens do poderoso sulista George Bellow Ferguson, que pretende ocupar as terras que por direito pertencem aos mexicanos. O menino é acolhido por um pastor protestante e pela sua família. Os anos passam e a educação deste jovem regeu-se por uma matriz religiosa e puritana, algo que não agrada absolutamente nada a Princy, a filha do pastor e irmã adotiva do rapaz.

Fascinada pelo mundo do espetáculo e das artes, aparentemente cheio de cor, música, dança e alegria, Princy foge da sua família para alcançar o seu sonho. A sua ingenuidade fê-la cair no mundo obscuro da exploração sexual de mulheres e no consumo de drogas. Num gesto de boa fé, Requiescant vai à procura da sua irmã para a trazer de volta mas depara-se com obstáculos muito perigosos! No seu estilo desajeitado, com roupas sujas e rasgadas, o protagonista traz um coldre e uma pistola presos à cintura por um cordel. Ferguson e Requiescant vão reencontrar-se mas resta saber quem levará a melhor…


Se há filme rico em simbologia, é este! O nome do protagonista (do latim Requiescant In Pace / R.I.P.); Muitas alusões a símbolos religiosos (sinos, bíblias, crucifixos, cemitérios, rezas); Insinuações homossexuais de Ferguson; A corrupção das entidades notáveis da cidade (juiz, médico, advogado); O fetiche sexual de um pistoleiro que brinca com uma boneca; A tortura física e psicológica contra mulheres; Abordam-se questões políticas sobre a revolução mexicana, a guerra civil americana e a escravatura. O vilão racista, com um visual semelhante a um vampiro, faz questão de afirmar a sua superioridade enquanto aristocrata; Vê-se pessoas numa tarefa macabra de recolha de ossos dos cadáveres antigos…

Mas porque é que Carlo Lizzani fez um western tão estranho? Será que foi influência do seu amigo Pier Paolo Pasolini? É verdade que o muito polémico cineasta italiano participou como ator, interpretando o papel de um sacerdote mexicano. Mas isso não será uma contradição? Pasolini não era conhecido pelos seus ideais de esquerda e pela sua feroz aversão à religião? Então, porque é que participou num filme que transborda religião por todos os lados? E ainda por cima encarnando o papel de um clérigo? Talvez porque “Requiescant” é uma parábola cínica sobre religião, cheia de símbolos religiosos e repleta de personagens loucos! E quem sabe minimamente de cinema, sabe que loucura, cinismo e violência fazem parte da filmografia de Pasolini. Aparentemente, o seu amigo Carlo Lizzani pegou em alguns destes conceitos e colocou-os num western.


Quando estreou, como era de esperar, a censura de vários países cortou as cenas mais violentas e mais uma vez estragou tudo! Felizmente, hoje é possível ver a versão integral do filme no seu formato original e com imagem cristalina. O melhor DVD é o da editora americana Wild East, que reeditou o filme este ano (2011) sob o título “Kill and Pray”.


Eis mais algumas imagens:



Trailer:


11 comentários:

  1. Confesso que gostei deste SW planfetário, com um Mark Damon Vampiresco, a curiosidade do Pasolini como padre revolucionário, embora ão seja grade adepto do estilo do Lou Castel.

    De qualquer modo um bom SW com uma mistura de Sw classico e de mensagem politica bem doseada.

    Vitor Louçã

    ResponderEliminar
  2. Este filme é interessante mas confesso que na minha lista de preferências tem vindo a perder lugares.

    Comungo também com a opinião do Vitor. Lou Castel é uma carta fora do baralho neste género de filmes. Aquela cara de mocinho não encaixa. Dos seus três spaghettis apenas a interpretação em QUIEN SABE? enche o olho.


    --
    Pedro Pereira

    http://por-um-punhado-de-euros.blogspot.com
    http://auto-cadaver.posterous.com

    ResponderEliminar
  3. Concordo que Lou Castel não tem uma cara muito ameaçadora nem nunca foi um tipo muito carismático. Mas para este papel talvez tenha sido bem escolhido porque se trata de um indivíduo aparentemente inocente, religioso e sem maldade.
    Neste filme gosto principalmente da mescla entre western violento e religião.

    ResponderEliminar
  4. Me pareció un western pedante, pretencioso y, lo que es imperdonable, bastante aburrido, muy diferente al anterior realizado por Lizzani "Un río de dólares" que era mucho más ameno y clásico.

    ResponderEliminar
  5. Quero salientar que Carlo Lizzani era um realizador que nunca teve grandes ambições nos westerns, à semelhança de Giulio Questi ou Gianni Puccini.
    Aliás, qualquer um destes três cineastas aventuraram-se nos westerns mais por pressão dos produtores daquela época do que por vontade própria.

    ResponderEliminar
  6. Lobbys. Anos 60 ou actualidade... nada mudou.
    Seja como for acho que o Puccini se safou melhor com o seu Romeu e Julieta, isto é: "Dove si spara di più". Mas enfim, vale a pena conferir as incursões de cada um desses que mencionas.

    Abraço.

    --
    Pedro Pereira

    http://por-um-punhado-de-euros.blogspot.com
    http://auto-cadaver.posterous.com

    ResponderEliminar
  7. Como curiosidade o título português deste filme é:
    OS ASSASSINOS TAMBÉM CHORAM

    ResponderEliminar
  8. Não fazia ideia de que titulo teria levado por cá. Obrigado pela informação António. Fico contente de voltar a "ver-te" por cá.

    Abraço.

    --
    Pedro Pereira

    http://por-um-punhado-de-euros.blogspot.com
    http://auto-cadaver.posterous.com

    ResponderEliminar
  9. Crítica de quem realmente entende. Extraordinário! E quanto a Lou Castel seu perfil realmente não encaixa muito bem em Spaghetti Westerns. Seu rosto parece sempre o de um menino, sempre com aquele jeito inocente. Todavia nesse filme ele encaixou bem para as características do personagem. Nesse ponto estou de acordo com o Emanuel Neto.
    Aproveito para desejar votos de um grandioso Natal e um ano vindouro repleto de conquistas à equipe do Por um punhado de Euros.

    aprigiohistoria@yahoo.com.br

    ResponderEliminar
  10. Amigos, muito bom dia. Sou um grande apreciador de SW, tenho perto de uma centena de fitas mas gostava de saber onde comprar bom material original, tudo o que tenho deve-se a meses de pesquisa on-line....

    Procuro tudo o que possa existir, de preferencia legendados em inglês.

    Um grande abraço
    Ricardo Agostinho
    agostinho3679@gmail.com

    ResponderEliminar
  11. @ Ricardo:

    Envio-te um mail dentro de minutos.


    --
    Pedro Pereira

    http://por-um-punhado-de-euros.blogspot.com
    http://auto-cadaver.posterous.com

    ResponderEliminar

Related Posts with Thumbnails