2015/10/20

Mannaja (1977 / Realizador: Sergio Martino)

Em 1977 os westerns italianos já tinham o seu funeral agendado com um sobretudo de madeira bem à medida. Os poucos westerns que viam a luz do dia tentavam revitalizar (sem sucesso) um género cada vez mais moribundo e saturado. Esta fase de descrédito, apelidada de “crepuscular”, foi o golpe de misericórdia neste tipo de produções. Por ironia do destino alguns cineastas como Enzo G. Castellari ou Michele Lupo deram uma nova vida (ainda que muito breve) a este tipo de filmes no final dos anos 70. Sergio Martino também deu um bom contributo com “Mannaja”. Apesar de ter deixado um legado importante noutros géneros cinematográficos, Sergio e o seu irmão Luciano (produtor) conseguiram fazer um western rude, melancólico e violento com muita chuva, muita lama, muita sujidade, muito frio e muito nevoeiro.

Maurizio Merli pronto a disparar

O empresário McGowan é o dono das minas de prata perto de Suttonville, cidade que também controla. McGowan aparenta ser um magnata poderoso mas na realidade é um gigante com pés de barro porque é Voller, o capataz, que mexe todos os cordelinhos. É neste contexto que surge Mannaja, um homem hábil no gatilho e principalmente no uso da machadinha, como o próprio nome indica. Mannaja é um indivíduo com um passado traumático, tal como sugerem os vários “flashbacks” ao longo do filme.

Mannaja também sabe usar os punhos

Os temas principais são a vingança, a traição, a exploração abusiva dos patrões sobre os empregados e o puritanismo radical / fanatismo religioso que culmina em atos violentos contra mulheres. Os irmãos Guido e Maurizio de Angelis dão o ambiente certo ao filme com uma partitura musical muito interessante. Infelizmente esta foi a única aventura do ator Maurizio Merli em westerns porque uma fatalidade não lhe permitiu uma vida longa. Este western-spaghetti crepuscular tem uma aura misteriosa cheia de sombras e escuridão mas também emana luz porque tem qualidade. Não é contraditório; é mesmo assim!


Mais imagens para aguçar a curiosidade:



Trailer:

6 comentários:

  1. Para que conste, a fatalidade que matou Maurizio Merli foi um ataque cardíaco durante uma partida de ténis. Faleceu a 10 de março de 1989 aos 49 anos.

    ResponderEliminar
  2. Uma pena. Sou grande fã do trabalho dele. Não tenho grandes dúvidas de que o policial italiano lhe deve uma grande parte da fama.

    ResponderEliminar
  3. Eu acho que os policiais violentos de Maurizio Merli estão na mesma linha de outros policiais produzidos nos anos 70 e 80 na França protagonizados por Alain Delon e Jean-Paul Belmondo na pele de detetives duros e implacáveis.

    ResponderEliminar
  4. Sem dúvida. Eu tento ver um poliziesco de quando a quando para desenjoar, mas tal como nos spaghettis, há tantos e tantos filmes abaixo da média. Tira um bocado as ganas. Mas não é o caso dos em que o Merli entra, esses são por regra bastante bons.

    ResponderEliminar
  5. Se calhar, Maurizio Merli foi uma espécie de precursor de uma série policial italiana de grande sucesso (inclusive em Portugal) que se chamava "La Piovra - O Polvo" cujo protagonista era o comissário Corrado Cattani (Michele Placido).
    Ainda sobre os policiais franceses dessa época, o grande Ennio Morricone foi o autor de uma (mais uma) magnífica banda sonora do filme "Le Professionnel". Eis um pequeno exemplo neste link do YouTube:
    https://www.youtube.com/watch?v=EXFtSoKcf2M

    ResponderEliminar
  6. O facto dos cenários deste filme se apresentarem muito degradados foi intencional. Naqueles anos o estúdio Elios Film já estava em muito mau estado (tinha sido praticamente abandonado) e por isso o realizador Sergio Martino decidiu deixá-los como estavam e, deste modo, dar ao filme um ambiente ainda mais crepuscular e ainda mais rude.

    ResponderEliminar

Related Posts with Thumbnails