2012/12/04

L'uomo, l'orgoglio, la vendetta (1968 / Realizador: Luigi Bazzoni)

Este filme é, na sua essência, um drama e não um western. A presença de gigantes como Franco Nero (Django, Keoma) ou Klaus Kinski (E Dio disse a Caino..., Il grande silenzio) levaram as distribuidoras a divulgar o filme sob o rótulo de western-spaghetti mas não é bem assim. José (Franco Nero), um humilde militar do exército espanhol, encontra Carmen (Tina Aumont), uma bela jovem cigana. Entre ambos inicia-se um complexo jogo amoroso que combina traição, sexo, ciúme, ganância, violência e homicídio. 

A ciumenta relação que José mantém com Carmen leva-o a assassinar um oficial superior e a tornar-se foragido. A coisa complica-se ainda mais quando José e um grupo de ciganos capitaneados pelo implacável Garcia (Klaus Kinski) executam um assalto para roubar um valioso cofre cheio de ouro. O golpe corre mal, várias pessoas morrem e a tensão é cada vez maior! A única escapatória para os sobreviventes é fugir para o continente americano e começar uma nova vida. Mas os conflitos entre José e Carmen são cada vez mais acesos e a obsessão levá-los-á a um desfecho trágico!


A ação deste filme não acontece no oeste americano ou na fronteira mexicana. A ação acontece em Espanha, mais concretamente na Andaluzia dos finais do século XIX. Tendo em conta que o filme foi produzido em 1968 é perfeitamente normal que se tenha aproveitado o sucesso que os westerns europeus estavam a viver para “camuflar” este filme como sendo parte desse género cinematográfico.


“O Homem, o Orgulho e a Vingança” é um projeto simples, não entusiasma o espetador (excetuando talvez o duelo de facas entre Nero e Kinski) e creio até que o romance conflituoso entre os dois personagens principais se torna demasiado repetitivo. Em suma, conclui-se que não se trata de nada de extraordinário…

Mais algumas poses:



Trailer:

8 comentários:

  1. Este filme é uma adaptação da obra "Carmen", do escritor francês Prosper Mérimée, escrita no século XIX. Alguns anos mais tarde foi transformada numa ópera por George Bizet.

    ResponderEliminar
  2. Aluguei-o uma vez num videoclube de Portalegre. Também o levei para casa pensando que se tratava de um western mas afinal era outra coisa qualquer. Na época lembro-me de eu e o meu pai ter-mos ficado bastante decepcionados com o filme mas agora revi o trailer e não me pareceu tão ruim.

    Encontrei o filme completo no youtube, dobrado em português inclusive:

    http://www.youtube.com/watch?v=gkKBD64sdco

    --
    Pedro Pereira

    http://por-um-punhado-de-euros.blogspot.com
    http://destilo-odio.tumblr.com/

    ResponderEliminar
  3. o problema deste filme é ser apresentado como um western spaghetti. É um drama razoável se for visto como drama. Vi-o no cinema muito novo, e claro, fiquei desiludido. revi-o há alguns anos atrás e já não desgostei, não senhor. Franco Nero, a bela Tina Aumont e o esquizofrénico Kinski fazem valer a pena pelo menos uma visualização. Adoro também o título do filme "O Homem, o Orgulho e a Vingança", só este título vendia um filme naquele tempo...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dantes não haviam os meios de comunicação que temos hoje. Os títulos tinham de ser fortes para andar no passa palavra...

      --
      Pedro Pereira

      http://por-um-punhado-de-euros.blogspot.com
      http://destilo-odio.tumblr.com/

      Eliminar
  4. Esse filme foi lançado no Brasil por uma distribuidora de buteco sob o título impactante "Django não Perdoa... Mata", e me lembro de tê-lo assistido há muito, muito tempo. Aluguei-o, o assisti e não gostei... Odiei, para falar a verdade, justamente por não ser, de fato, um Western Spaguetti, como o título prometeu - aliás, "Django não Perdoa... Mata" é algo muito sugestivo.

    Abração!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Coitado do Franco Nero, sempre a levar com o estigma de Django. Na Alemanha como é óbvio o filme também levou um titulo destes, "Mit Django kam der Tod", algo cque julgo poder traduzir em "Com Django chega a morte". Perdoem-me os nativos se falhei na interpretação, mas não é uma língua fácil.

      --
      Pedro Pereira

      http://por-um-punhado-de-euros.blogspot.com
      http://destilo-odio.tumblr.com/

      Eliminar
  5. A primeira vez que vi este filme foi no início dos anos 1990 em VHS. Na época não gostei do filme porque como já foi aqui referido parecia um western-spaghetti e afinal era um drama.
    Um dos trunfos deste filme são as belas paisagens quentes de Almería, mais concretamente o deserto de Tabernas.

    ResponderEliminar
  6. tai um filme q posso dizer com todas as letras q é ruim, de western não tem quase nada, de drama romântico o filme beira ao insuportavel, Nero até se esforçou e teve uma ótima atuação, mas essa síndrome de corno torna o filme chato, acredito eu q foi um fracasso de bilheteria,justamente por terem vendido-o para um público errado.

    ResponderEliminar

Related Posts with Thumbnails