2011/06/27

A influência do western-spaghetti sobre o western americano: Two Mules for Sister Sara (1970 / Realizador: Don Siegel)


Se é verdade que o western clássico americano foi a grande inspiração da maioria dos cineastas europeus por detrás do western-spaghetti, não menos verdade é que os papeis se inverteriam com o passar dos tempos. O estigma inicial lançado por alguns puristas americanos sob a reciclagem do género feito por realizadores europeus - Ford inclusive - haveria de se esvanecer e não muito tempo depois o western europeu passaria também ele a ser fonte de inspiração para um punhado de realizadores americanos ligados ao género western, mas não só.

Nos dias que correm, é Quentin Tarantino o nome mais relacionado com o universo do western-spaghetti. Os seus filmes transpiram influências do cinema série B por todo o lado e o subgénero western-spaghetti é sem dúvida uma das componentes mais presente. Num futuro não muito distante Tarantino presentar-nos-à mesmo com o seu primeiro western: "Django Unchained".

Mas antes dele outros entenderam e reformularam as fórmulas existentes. Sam Peckinpah, contemporâneo de Leone e Corbucci, terá sido porventura o nome mais enigmático dessas décadas, propondo uma mescla entre a estrutura dos grandes clássicos americanos e a violência crua, típica dos filmes rodados em Espanha ou Itália.

Como Peckinpah também Clint Eastwood contribuiu para a reformulação do western americano. Depois de filmar sob as ordens de Sergio Leone na “trilogia dos dólares”, Eastwood regressaria aos Estados Unidos com outro estatuto. Em 1973 realizou e protagonizou o seu primeiro western, "High Plains Drifter". Neste interpretaria um fantasmagórico pistoleiro sem nome, em muito semelhante ao personagem Django, que Anthony Steffen imortalizou anos antes no interessante western italiano "Django il Bastardo" (de Sergio Garrone).

---


Two Mules for Sister Sara (1970 / Realizador: Don Siegel)

Alguns anos antes de que Clint Eastwood tomasse as rédeas dos seus próprios westerns, unir-se-ia a Don Siegel num projecto em que de algum modo quase satiriza os westerns europeus popularizados pelo próprio Eastwood. O filme rodado em pleno México segue a linha do popular subgénero zapata-western. Em que um pistoleiro estrangeiro se envolve na revolução mexicana com o único objectivo de enriquecer rapidamente. Afinal de contas, aquilo que Sergio Corbucci usara anos antes no seu "Il Mercenario".

Eastwood interpreta Hogan, um mercenário mal-encarado que salva a freira Sara (Shirley MacLaine) das garras de um bando de pulhas, que se preparavam para a violar. A freira acaba por seguir viagem com Hogan, que se vai aproveitando dos seus conhecimentos sobre uma fortaleza francesa que pretende invadir com os seus clientes, os revolucionários Juaristas.

As parecenças estilísticas de "Os abutres têm fome" (titulo Português) com o western-spaghetti não se resumem ao enredo zapatista. A banda sonora ficou sob responsabilidade do grande maestro italiano Ennio Morricone, que aqui compôs uma trilha bastante cómica, baseada nos urros das mulas! A utilização de compositores italianos em produções americanas repetir-se-ia aliás por diversas ocasiões. Lembre-se o caso do saudoso filme de acção "Lone Wolf McQuade", protagonizado pela super-estrela do cinema de pancadaria Chuck Norris, e cujo tema principal responsabilidade de Francesco De Masi (outro dos grandes maestros italianos) se tornaria tão icónico quanto o filme para que foi composto.

Actualmente "Os abutres têm fome" goza de fraca popularidade, sendo desvalorizado quer pela critica quer pelo próprio Eastwood. Mas para mim continua a ser um dos mais divertidos westerns feitos do lado de lá do Atlântico. Penso pois que merecia maior atenção!

Trailer:

4 comentários:

  1. É mesmo verdade, merecia mais atenção este Western. Também gostei bastante do filme, do desenvolvimento da narrativa e das atribulações dos protagonistas. Destaco ainda a banda sonora que de facto é muito boa, sempre com o meste Morricone a presentar-nos com belíssimas sonoridades.

    De resto boa crítica, e cada vez gosto mais desta rubrica :)

    abraço

    ResponderEliminar
  2. Basta ver o trailer deste filme para perceber que o realizador Don Siegel foi buscar muitas ideias aos westerns italianos. Além disso, naquela altura, os americanos tentavam explorar ao máximo a imagem de marca deixada por Clint Eastwood nos filmes de Leone. Antes deste TWO MULES FOR SISTER SARA, já Ted Post tinha realizado HANG 'EM HIGH! um western também protagonizado por Eastwood.
    Muitos produtores e cineastas americanos criticaram o western-spaghetti mas o facto é que também eles tentaram imitar o subgénero...

    ResponderEliminar
  3. Uma pena que este filme tenha caído no ridículo para muitos, porque para mim é diversão pura! Bons personagens, química excelente entre Shirley e CLint - mesmo que as lendas contam que as filmagens tenham sido infernais, pois a atriz odiava tanto Eastwood como Don - e um roteiro descompromissado e divertido. Ótimo filme!

    ResponderEliminar
  4. Oh pá! Fico contente por ver que não sou o único a gostar do filme!

    --
    Pedro Pereira

    http://por-um-punhado-de-euros.blogspot.com
    http://auto-cadaver.posterous.com
    http://filmesdemerda.tumblr.com

    ResponderEliminar

Related Posts with Thumbnails