2015/08/04

Cuatro Balazos (1964 / Realizador: Agustín Navarro)

Soaram quatro balázios e Henry cambaleou-se do cavalo. A lente capta tudo à distância o que pode levar à ilusão de que vêm aí mais um western-spaghetti leónico, mas desenganem-se espectadores incautos, muito antes pelo contrário. O clima deste "Cuatro Balazos" é completamente americanizado, esqueçam-se por isso dos pistoleiros mal encarados, dos bandidos sebosos e dos banqueiros avarentos. A moda aqui é outra, como sussurra Adolfo Luxuria Canibal no infame "Chabala": Quem matou?!

Então, vamos lá. A pobre Katy aguarda o seu amado - Henry - mas este rapidamente passa a finado e para ajudar à festa caem-lhe ainda em cima as culpas do assassinato, sendo levada a julgamento. A desgraçada é considerada culpada pelo júri e num laivo de desespero tenta escapulir-se mas acaba imediatamente atropelada por uma carroça desgovernada. Os testemunhos soaram a esturro e o xerife (Fernando Casanova) não ficou nada convencido da implicação da cachopa no assassinato. Também desconfiado de haver aqui marosca da grande, está Frank Dalton (Paul Piaget), irmão de Katy e notório pistoleiro das redondezas. Dalton rapidamente demonstra a vontade cravejar de chumbo os implicados no complot, mas alguém se adianta e uma onda de assassinatos assola a cidade.

Triste sorte a de Katy Dalton.

Apesar de não ser a minha praia, de quando a quando não resisto a fazer uma incursão no western dito clássico. Serve para desenjoar e também para confirmar que também há um ou outro espécime destes capaz de entreter a mente por uns momentos. Ainda assim, tenho de admitir que, por regra, neste campo os europeus não ombrearam o que se fazia do outro lado do Atlântico. Tratam-se quase sempre de obras paupérrimas tiradas a papel químico dos clássicos gringos, com os seus pistoleiros barbeados e de colts cintilantes, a galope nos seus magníficos cavalos brancos. Haja paciência!

Alguém traga um escadote a Fernando Casanova.

Mas adiante. Neste "Cuatro Balazos" apreciei especialmente a escolha de cenários exteriores, captados em Hoyo de Manzanares (Madrid) e Barranco de la Hoz (Guadalajara), muito diferentes das características ramblas Andaluzas que chafurdaram o western europeu dos anos seguintes. Note-se que estamos em 1964, e portanto a fornada de westerns europeus ainda estava longe de ser uma realidade. O ambiente misterioso também abona em favor do filme e mesmo que não seja tão complexo como os crimes da carola de Agatha Christie, o suspense está lá e a lista de possíveis assassinos é longa. Por isso sentem-se no sofá e descubram vocês próprios: Quem matou?

4 comentários:

  1. Neste tipo de westerns que imitam o estilo americano é normal haver colts cintilantes porque quase nunca são usados e portanto não se sujam. Pessoalmente gosto de filmes com ambientes misteriosos e com suspense.
    Uma curiosidade: é pena a cidade western de Hoyo de Manzanares (nos arredores de Madrid) não ter sido restaurada à semelhança do que aconteceu no deserto de Tabernas em Almería. A cidade praticamente desapareceu por completo a partir de meados dos anos 70.

    ResponderEliminar
  2. Uma fotografia melhor e essas paisagens tinham ficado a matar neste filme. Uns pistoleiros mais ensebados também lhe daria algum fogo extra, mas ainda era demasiado cedo...

    ResponderEliminar
  3. Naquela altura tanto espanhóis como alemães produziam westerns mas sempre segundo a matriz americana. Leone e Corbucci foram os primeiros a dar o grande salto no subgénero.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Hossein ao menos lançou algo diferente: Le goût de la violence
      Acho que o filme era mesmo bom, só o vi uma vez e de vez em quando já me lembro de cenas dele...

      Eliminar

Related Posts with Thumbnails