2013/03/18

Los Pistoleros de Arizona (1964 / Realizador: Alfonso Balcázar)

Estamos em Setembro de 1964 e o western europeu ainda dá os seus primeiros passos mas uns catalões com olho para o negócio já se preparam para produzir filmes do género massivamente. Para o efeito iniciam a construção da sua própria cidade do oeste - «Esplugas City» - em Esplugues de Llobregat (Barcelona) e asseguram a contratação de um norte-americano com pinta de cowboy: Robert Woods!

A estreia da Balcázar Producciones Cinematográficas nos westerns não demoraria muito mais, e ainda com as obras em curso já se iniciavam as rodagens de “Los pistoleros de Arizona”, então anunciado como “El rancho de los implacables”. Uma produção que os catalães partilharam com os italianos da Fida Cinematografica e os alemães da Internacional Germana Film. Já a realização foi assegurada por um dos elementos do clã Balcázar, Alfonso Balcázar, que ganharia o gosto pela coisa (não tanto o jeito) realizando uma porção valente de filmes do género nos anos seguintes: “L'uomo che viene da Canyon City”, “Clint el solitário”, “Sonora”, etc.


O argumento original é de Alessandro Continenza que segundo consta era grande apreciador de westerns americanos, razão que o terá levado a apresentar um manuscrito bastante decalcado das suas referências. E terá mesmo sido o próprio Robert Woods a dar uns toques finais na trama. O resultado é razoavelmente interessante e a acção acaba por se desenrolar a bom ritmo. Com bastante pancadaria mas não particularmente violento. Na verdade, a contagem de cadáveres é bastante baixa para aquilo que se tornaria a  média do género.

Robert Woods é Jeff Clayton, um jogador sortudo que se vê forçado a matar um homem em autodefesa depois de lhe ter ganho a escritura de um rancho num jogo de poker. O acto vale-lhe um «convite» para sair da cidade e na sua rota acaba por salvar Carrancho (Fernando Sancho) de uma morte certa, mas o embusteiro mexicano acaba por lhe fugir com o cavalo e todos os pertences. Todos excepto a escritura do rancho…


Woods que ainda estava verde nestas coisas entregou-nos aqui uma prestação menos robusta do que aquelas que haveriam de o tornar famoso. Na verdade é Fernando Sancho quem rouba o protagonismo do filme abalroando Woods e companhia em mais uma das suas interpretações excessivas. Os dois actores voltariam a encontrar-se em mais dois westerns, “L'uomo che viene da Canyon City” e “Sette pistole per i MacGregor”, sendo ainda hoje sinónimos do western-spaghetti.


Mais alguns lobbys germânicos:



Trailer:

4 comentários:

  1. Um western que ainda tenta imitar em demasia o modelo americano. Uma produção simples e sem grande história. Não acrescenta nada de novo ao género e, à exceção dos mais fanáticos, é perfeitamente dispensável.

    ResponderEliminar
  2. Podia ser melhor mas tem a ingenuidade típica dos primeiros euro-westerns. É simpático...

    --
    Pedro Pereira

    http://por-um-punhado-de-euros.blogspot.com
    http://destilo-odio.tumblr.com/

    ResponderEliminar
  3. A pesar de su ingenuidad, incluso de sus notas naif, me resulto un western agradable y entretenido, de esos que puede ver toda la familia. Coincido contigo en que no es la mejor interpretación de Robert Woods y quien realmente destaca es el gran Fernando Sancho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Un western para toda la familia. No se me ocurrió una descripción tan exacta! Gracias Jesús.
      --
      Pedro Pereira

      http://por-um-punhado-de-euros.blogspot.com
      http://destilo-odio.tumblr.com/

      Eliminar

Related Posts with Thumbnails