2012/07/02

Dos mil dólares por Coyote (1966 / Realizador: León Klimovsky)

Não conheço em profundeza a filmografia western do realizador León Klimovsky, mas do que já vi, têm sido cada tiro cada melro. Neste euro-western, o realizador argentino parece ter tentado mesclar elementos do western clássico americano (com a inclusão do dualismo entre homem branco/índio) e as influências leónicas (com a introdução da figura do caçador de recompensas, omnipresente na vertente europeia do género). Mas deu-se mal, muito mal!

Sam Foster (James Philbrook) fora outrora capitão do exército confederado, mas o pós-guerra tornou-o em mais um caçador de recompensas. A sua feroz profissão levá-lo-á a caçar o irmão da mulher que ama, Jimmy Patterson (Sam Alston). Jimmy não passa de um rapazito idiota que se deixa envolver no assalto ao banco da cidade. O assalto não corre como esperado e ele é reconhecido como integrante do bando de gatunos. A perseguição liderada pelo xerife local é imediata e são os seus associados os primeiros a tentarem passar-lhe a perna. O inexperiente pistoleiro acaba encurralado pelos seus perseguidores, mas Foster surge do nada e abre caminho para a fuga de Jimmy, retendo os homens do xerife. Já no México, Foster captura o rapazote e abate um dos bandidos. Obrigado, Jimmy conduz o caçador de recompensas até ao esconderijo dos bandidos, porém Jimmy lança o alerta aos seus parceiros e é Foster que fica momentaneamente em sarilhos. Mas o rato velho safasse fortuitamente e assim captura o grupo completo. 


O dinheiro do assalto permanece ainda assim refundido, por isso à que procurá-lo. Na sua senda os bandidos acabam por levar Foster para o território de Águia Branca, rebelde índio com quem Foster tivera um breve encontro logo no início da nossa aventura e que mostra laços de associativismo para com o líder da matilha. E é este evento que levará ao “grande” êxtase do filme, o cerco índio! Uma bela lição de como não se devem filmar cenas de acção e de onde sobressai pela negativa, a utilização de uns irritantes e repetitivos gritos indígenas. 

É certo que o argumento do filme é do mais banal que já se viu num western mas nem foi isso que mais me custou engolir nos cerca de 90 minutos de “Dos mil dólares por coyote”. Realmente gritante é a falta de astúcia mostrada por aqueles que empenharam a câmara nesta produção. Os movimentos desta e respectivo posicionamento dos actores são nalguns casos completamente descabidos. Uma coisa de um tal amadorismo que acaba com a veracidade de qualquer cena de acção aqui mostrada. Temos também algumas (muitas) interpretações de nível medíocre, como dizia o outro estes actores são tão beras que nem sabem como morrer. Acreditem que é verdade! 


Outra das coisas que muito me chocou neste filme foi a incapacidade demonstrada no aproveitamento dos cenários naturais espanhóis, que aqui são capturados de uma forma tão penosa que retira todo o realismo que estes habitualmente conferem a este tipo de produção. Na verdade foram bastantes as vezes em que pensei premir a tecla stop e assistir a outra coisa qualquer, mas fui resistindo qual Cristo na cruz e lá cheguei ao fim da coisa. Quem já assistiu a umas dezenas de spaghettis saberá que a maioria dos filmes do género não conseguem superar a classificação de razoável mas até esses têm a competência de conseguirem distrair, noutros casos a soma de todos os podres não conseguem mais do que aborrecer. Conselho de amigo: evitem isto!


Clip:

11 comentários:

  1. vou me arriscar nesse filme, mesmo vocês não ndicando.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muita coragem a tua Artur. :)
      Tenho um divx manhoso (não há dvd no mercado que saiba), se quiseres posso fazê-lo chegar-te. Audio espanhol ou inglês + legendas em inglês.

      --
      Pedro Pereira

      http://por-um-punhado-de-euros.blogspot.com
      http://auto-cadaver.posterous.com

      Eliminar
  2. Enzo G. Castellari trabalhou com Leon Klimovsky enquanto assistente no filme POCHI DOLLARI PER DJANGO, com Anthony Steffen. Cstellari disse que Klimovsky era boa pessoa mas a sua capacidade como realizador era bem fraca, tanto que foi substituído após uma semana de trabalho.
    Pelos vistos, este é mais um filme com a sua imagem de marca: fraco!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este tipo deve ter sido um grande flop. Há mais alguns filmes cujos créditos de realização também são dados a outros realizadores. Devia mas é ter seguido a sua carreira de dentista.

      --
      Pedro Pereira

      http://por-um-punhado-de-euros.blogspot.com
      http://auto-cadaver.posterous.com

      Eliminar
    2. na verdade Castellari foi co-diretor junto com o pai.

      Eliminar
  3. Flojísimo spaghetti con un guión ridículo y una muy mala dirección que, curiosamente, presenta ciertas semejanzas con Bandolero, western dirigido por Andrew V. McLaglen en 1968.

    Un saludo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muy mala dirección. Creo que "Bandolero" es mucho mejor.

      --
      Pedro Pereira

      http://por-um-punhado-de-euros.blogspot.com
      http://auto-cadaver.posterous.com

      Eliminar
    2. Claro que "Bandolero" é melhor! Tem a Raquel Welch!!

      Eliminar
    3. Nem mais!

      --
      Pedro Pereira

      http://por-um-punhado-de-euros.blogspot.com
      http://auto-cadaver.posterous.com

      Eliminar
  4. Me parece que os amigos estão dispostos a percorrer a banda mais podre do Spaghetti mesmo heim?acho divertidissimo ler aqui sobre tal sessão de tortura,mas se estes forem no mesmo nível de "Il mio nome è Mallory... M come morte" ou "Djurado" eu não me arriscarei..rsrsr..

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Flávio.
      Eu diria que é ainda pior do que o "Il mio nome è Mallory... M come morte". É mesmo bastante fraco.

      --
      Pedro Pereira

      http://por-um-punhado-de-euros.blogspot.com
      http://auto-cadaver.posterous.com

      Eliminar

Related Posts with Thumbnails