2016/08/22

Yankee (1966 / Realizador: Tinto Brass)

O realizador italiano Tinto Brass (Giovanni Brass) não deixou marca relevante nos westerns-spaghetti. Os seus trabalhos mais conhecidos estão ligados ao cinema erótico, com destaque para os filmes “Salon Kitty” e “Calígula”, ambos ricos em orgias que simbolizam a decadência do regime Nazi e do Império Romano, respetivamente. Mas antes destes registos, Tinto Brass conseguiu manter o pessoal com as roupas vestidas e fez um western protagonizado por um francês (Philippe Leroy) e por um italiano (Adolfo Celi, uma espécie de Fernando Sancho dos pobres). Visualmente, o filme tem aspetos bem interessantes. A saber: belas cenas noturnas, igrejas com vitrais coloridos cheias de pinturas na parede (além de esculturas e outras obras de arte), ambientes pesados e soturnos, etc.

Yankee aguarda pacientemente pelas suas presas.

O filme, propriamente dito, fala-nos de um pistoleiro norte-americano (ianque = Yankee) que atravessa o Rio Grande e dirige-se para o México, um país onde se resolve tudo à bruta. Chega a uma localidade mexicana cujo cartão de visita é ter homens enforcados nas ruas. Yankee, assíduo frequentador de barbearias, senta-se na cadeira e fala com o barbeiro / agente funerário. O barbeiro diz-lhe que quem manda naquilo tudo é o Grande Concho, o chefe das bestas quadradas lá do sítio.

O bigodudo Adolfo Celi empunha o chicote.

Yankee procura Concho e propõe-lhe uma sociedade que envolve muito ouro. Concho é manhoso, engana Yankee e este rapta Rosita, uma cartomante bem jeitosa e mulher do bandido mexicano. O jogo do gato e do rato entre herói e vilão é inevitável e trocam tiros nas ruínas de um povoado abandonado sob um ambiente tenebroso (eco de vozes, gargalhadas lúgubres e arrepiantes). O duelo final acontece na margem do rio, pobre em peixes mas rico em cadáveres. Resta saber se valeu a pena Yankee ter atravessado a fronteira ou se o Grande Concho levou a melhor…

4 comentários:

  1. Dos vários filmes que vi do Tinto Brass este é o único que não tem overdose de grandes planos aos rabos e mamas das protagonistas.

    Este só o vi uma vez e já há um punhado de anos mas se bem me recordo tem uma fotografia bastante apurada, com pormenores que raramente se vêem no género.

    ResponderEliminar
  2. Sim, de facto a fotografia deste filme chama a atenção. Segundo li, o realizador queria dar um toque inspirado em artistas plásticos como Salvador Dalí e Giorgio De Chirico.

    ResponderEliminar
  3. Dei-me ao trabalho de contar o número de filmes que já constam neste blogue e a contagem vai no redondo número 151.

    ResponderEliminar
  4. Entre biberons e mudas de fraldas ainda hei-de conseguir contribuir com mais algumas até ao final do ano... Vamos ver como se comporta este bandido.

    ResponderEliminar

Related Posts with Thumbnails