2017/07/04

Carambola, filotto... tutti in buca (1975 / Realizador: Ferdinando Baldi)

Outro registo da fase mais patética, mais deprimente e mais estúpida dos westerns-spaghetti. Coby e Len, aliás, Antonio Cantafora e Paul Smith, respetivamente, querem imitar Trinitá e Bambino. Coby e Len são a contrafação da dupla de sucesso interpretada por Terence Hill e Bud Spencer. Para a imitação ser o mais fiel possível há que ter dois protagonistas com traços fisionómicos muito específicos: um é elegante, loiro, com olhos azuis e muito ágil. O outro é barbudo, gordo, atarracado e mal-humorado. O realizador Ferdinando Baldi, nestes anos, andava armado em macaco de imitação apenas para tentar ganhar uns trocos. Coby e Len levam uma vida de pura vadiagem. Quando não estão a discutir e a brigar entre si, só pensam em comer, beber, jogar bilhar / snooker e coçar a micose. Anseiam chegar a uma cidade para fazer exatamente isso mas quando chegam… a cidade está deserta. A desilusão provoca mais brigas entre ambos. Subitamente, um pelotão do exército chega a essa cidade fantasma para praticar tiro ao alvo porque possuem uma arma nova: uma mota equipada com uma metralhadora!

Antonio Cantafora, uma espécie de Trinitá dos muito pobres!

Quando os militares estão distraídos, Coby e Len roubam a mota e fogem mas como a mota não tem travões escavacam tudo por onde passam. Finalmente chegam a outra cidade (desta vez habitada) e, claro está, armam confusão num ápice. Até ao final do filme temos muitas cenas de punhada, mesas e cadeiras partidas, espelhos desfeitos, barris de whisky feitos em pedaços, marradas na parede e humor bacoco com soldados em ceroulas. Tal como a dupla original, também Coby é especialista em aviar chapadas na cara e Len é perito em golpes com a pança e murros à pedreiro.

Pistolas!! Muitas pistolas!!

Há também algumas insinuações de cariz sexual quando Len se põe a fazer bolos, o que deixa uma gaja histérica com a rata aos pulos! Quilos de farinha pelo ar, ovos a voar, creme de bolos a esguichar na cara, parvoíce em doses bem generosas… eis a receita deste filme. Finalmente, um conselho para o Signor Ferdinando Baldi: tenha juízo, homem!!

10 comentários:

  1. Esse filme passou em sua primeira exibição na extinta "Sessão das Dez" na TVS (atual SBT) depois foi exibido á exaustão tanto esse filme quanto o segundo filme que essa dupla picareta de Trinty fizeram passaram na mesma emissora na decada de 80e á partir da decada de 90 esse filme passou foi exibido na Rede Bandeirantes em varias sessões de filmes dessa emissora .. acho que faz uns 30 anos que esse filme e outro que essa dupla de atores Michael Coby & Paul Smith fizeram ,nunca mais esse filme passou na TV Aberta e outra curiosidade esses filmes dessa dupla tambem nunca sairam em DVD no Brasil,uma pena gosto muito desse filme e dos atores que o fizeram.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amigo spektro 72, esta resenha é do 2.º filme desta dupla. O primeiro filme chama-se simplesmente "Carambola". Creio que em Portugal ambos os filmes são desconhecidos da maior parte do público.
      Edições em DVD na Europa, neste momento, só há na Alemanha e na Espanha.

      Eliminar
    2. É verdade esse o segundo filme foi exibido com o nome de "Trinity & Carambola ,que tambem passou ambas as emissoras escrita por mim antes ,os dois filmes foram dublados em São Paulo pela extinta dubladora Elenco.O final do filme fica uma ligeira impressão que poderia ter outro filme dessa dupla ou não? pois eles vão de encontro á uma enorme cachoeira,pois eles se atiram no penhasco fugindo de todos da cidade,do exercito e dos grupos dos bandidos que queriam á nova invenção do exercito uma metralhadora,um abraço de Spektro 72.

      Eliminar
  2. eu soube que Enzo Barboni tentou processar Baldi, mas não conseguiu por não possuir leis sobre direitos autorais na Itália naquele tempo, por isso tantos Djangos, Trinitas e Sartanas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amigo Artur, é provável que isso tenha acontecido. Os direitos de autor, naqueles anos, não são como agora porque se assim fosse, Sergio Corbucci tinha-se tornado milionário só à conta de "Django", tendo em conta as dezenas de imitações e usurpações do nome do personagem.

      Eliminar
  3. A banda sonora deste filme é da autoria do trio Bixio, Frizzi, Tempera, e está disponível no blogue do Edelzio Sanchez, que é um especialista nesta matéria. Eis o link:

    http://bangbangitaliana.blogspot.pt/2011/01/trinity-e-carambola-lyricletra-da.html#comment-form

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa matéria!
      Saudações brasileiras do www.Bangbangitaliana.blogspot.com.br
      Edelzio Sanches

      Eliminar
  4. Vi o primeiro "Carambola" no cinema e fruto da ingenuidade própria da época - hoje em dia é que são todos muito inteligentes - muitos foram aqueles que foram ao velhinho "Cine Teatro Açor" da minha querida Vila de Capelas (ai que saudades), pensando que era mais um filme da dupla Hill / Spencer, e o Paul Smith é mesmo a cara chapada de Spencer, mas apesar de ser uma cópia muito manhosa e muito menos imaginativa, granjeou algum êxito. Baldi foi sempre capaz do melhor e do pior e era sem dúvida um artesão competente sem nunca ser brilhante.

    ResponderEliminar
  5. Eu vi apenas o primeiro filme da saga e fiquei vacinado. Realmente o signori Baldi fez filmes de qualidade bastante duvidosa. Estranho se pensarmos que fez outros muito bons, lembro-me agora de repente do Blindman ou do Il pistolero dell'Ave Maria. Que pena...

    ResponderEliminar
  6. Entre o primeiro e o segundo filme da série "Carambola" nem sei dizer qual é o pior!! Ambos são extremamente irritantes!

    ResponderEliminar

Related Posts with Thumbnails