2017/05/09

Shango, la pistola infallibile (1970 / Realizador: Edoardo Mulargia)

Primeiro ponto: o nome do protagonista deste filme não é “Gringo” nem “Ringo” e nem sequer “Garringo”. Segundo ponto: o protagonista também não se chama “Django” ou “Cjamango” ou até mesmo “Durango”. Terceiro ponto: o ator Anthony Steffen, uma das grandes pérolas do western-spaghetti, desta vez encarna o personagem “Shango” (será uma mistura entre “Shane” e “Django”?), um tipo teso que nem um carapau cujo colt que empunha dispara um inesgotável número de balas sem recarregar uma única vez! Anthony Steffen e o realizador Edoardo Mulargia escreveram em parceria o argumento. E o que escreveram eles? A Guerra Civil Americana já terminou há seis meses. Num ponto isolado do país, um pelotão de soldados sulistas, liderados pelo fanático Major Droster, continuam com as armas em riste. 

Tortura à moda mexicana. 

Mercenários mexicanos sob o comando de Martinez aliaram-se aos rebeldes sulistas para ver se ganham uns trocos extra. Ambos os grupos mandam e desmandam numa aldeia onde moram apenas pobres agricultores mexicanos. O telégrafo não funciona e por isso é impossível saber notícias da frente de combate. O Major Droster é o único que sabe que a guerra já terminou mas não diz nada a ninguém porque o gajo não passa de um fanático de merda! 

Eduardo Fajardo, o habitual vilão de serviço.

Na floresta daquela zona há uma gaiola pendurada nas árvores. Está um homem lá dentro (prisioneiro, obviamente). O homem está fisicamente debilitado e não se lembra do que lhe aconteceu. O Major Droster liberta-o para que o prisioneiro sirva de bode expiatório e que seja acusado de matar o telegrafista. Mas o prisioneiro foge e deixa militares e mexicanos à rasca! Acolhido por uma família de camponeses, o homem recupera as suas faculdades físicas e mentais. 

Anthony Steffen no seu registo habitual. 

Ele é Shango, um Ranger americano que caiu numa emboscada quando liderava um pelotão de soldados ianques. Shango também sabe que o armistício foi há seis meses mas com fanáticos é impossível negociar. O colt de Shango é que vai falar alto e bem certeiro, disparando de todas as maneiras, feitios e posições (de pé, sentado, deitado no chão ou dentro de uma saca de serapilheira!). Quarto e último ponto: sendo conhecedor da filmografia western de António Luís de Teffé Von Hoolholtz, vulgo Anthony Steffen, diria que este é um dos seus melhores momentos.

6 comentários:

  1. Este é um de muitos westerns com Anthony Steffen como protagonista e Eduardo Fajardo como vilão.
    O realizador Edoardo Mulargia fez 9 westerns, nenhum alcançou particular sucesso nas bilheteiras, embora os que eram protagonizados por Anthony Steffen tinham, por norma, mais saída.

    ResponderEliminar
  2. Para atualizar o número de filmes abordados no blogue: esta é a resenha número 164.

    ResponderEliminar
  3. Não é o meu favorito de Eduardo, mas não achei que fosse ruim. No geral é um realizador que aprecio.

    ResponderEliminar
  4. Mulargia foi um realizador que fez westerns decentes, apesar da enorme falta de meios para os fazer. Eu também não desgosto do seu trabalho.
    Neste filme, o assistente Mario Bianchi (mais tarde também ele realizou westerns) disse numa entrevista que Anthony Steffen demorava muito tempo a prepara-se. Bianchi achava que ele tentava imitar o estilo de Clint Eastwood.

    ResponderEliminar
  5. Se tentava, falhou. Diria que tem o seu próprio estilo.

    ResponderEliminar
  6. Sim, é verdade. Diria que Anthony Steffen acentua ainda mais a imagem de pistoleiro taciturno iniciada por Eastwood ou Franco Nero.
    E é nesse registo que me agrada mais porque o Steffen cómico (ou pseudo-cómico) é realmente fraco!

    ResponderEliminar

Related Posts with Thumbnails